O indivíduo, a busca pela felicidade e o egoísmo

O indivíduo, a busca pela felicidade e o egoísmo

Segundo a filosofa Any Rand o único objetivo de cada ser humano é a busca pela própria satisfação e felicidade, somente alcançados através do egoísmo e individualismo.

O que é o individualismo?

O individualismo é o conceito que a liberdade do indivíduo está à frente a grupos, a sociedade e ao estado. Significa dizer que para esse indivíduo as suas necessidades devem estar à frente das necessidades do coletivo.
Em uma moralidade individualista, no processo de tomada de decisão a prioridade está na autossatisfação e na priorização de si próprio, ao contrário de uma moralidade coletivista ou altruísta

O que é Altruísmo ?

A definição de Augusto Comte para altruísmo enquanto virtude é a atitude de viver para os outros, um grupo de disposições humanas sejam elas individuais ou coletivas que levam os seres humanos a se dedicarem a outros seres humanos.
Em uma moralidade altruísta as necessidades dos outros recebem destaque, a abnegação é estimulada e a vida é guiada para o bem comum, sendo um contra ponto ao egoísmo.
Segundo Rand o altruísmo significa se pôr em um local de auto sacrifício para o bem do próximo e para o bem da coletividade, isso engloba se dispor da satisfação das necessidades individuais pelo bem comum, algo imoral para o objetivismo.

A virtude do egoísmo

Não estamos falando do egoísmo enquanto algo pejorativo, mas sim da preocupação do indivíduo com seus interesses particulares. Segundo Rand o egoísmo é uma virtude, tal qual o altruísmo para Comte.
Enquanto o altruísmo declara que ações feitas em nome do bem comum são boas e ações feitas por auto interesse são ruins, Rand ressignifica essa palavra de forma que a razão se torna a bússola moral do homem, logo estamos falando de um egoísmo racional.
Dessa forma a busca pela satisfação das necessidades não é proveniente de impulsos cegos ou de simples aleatoriedade, mas como fruto de um processo decisório e racional baseado em autoconhecimento e que tem como objetivo a felicidade do indivíduo.

Leia também: Sociedade de desempenho, saúde mental e positividade tóxica

E podemos ajudar o próximo?

Sim, o individualismo e o egoísmo racional que são parte do objetivismo filosófico não criam barreiras morais, mas emancipam o indivíduo e fortalecem a sua autoestima, são processos racionais que nos levam a buscar melhores respostas para as questões porque colocam o indivíduo no centro da tomada de decisão.

Dentro da minha leitura do objetivismo enquanto praticante da comunicação não violenta, enquanto designer thinking e pagão, essa é uma corrente filosófica que motiva o indivíduo a colaborar e a ajudar o próximo, porque se o indivíduo desenvolve a capacidade de reconhecer  as próprias necessidades, aprimora a inteligência emocional para entender as próprias emoções, aprende a ter maturidade, ele terá maiores chances de ser um indivíduo empático e de enxergar a complexidade da sociedade, a dinâmica dos grupos sociais e de respeitar a individualidade, e na hora de propor soluções ser capaz de lidar com a frustração, porque os problemas não serão resolvidos facilmente porque não existem soluções mágicas capazes de dar conta de toda a demanda e de que todas as situações tem camadas e precisam de abordagem diferentes.

Somente por meio da razão, do entendimento da realidade e do autoconhecimento que um indivíduo pode alcançar essa respostas e esse estado de espírito

Para dar continuidade a essa conversa você pode ler mais sobre egoísmo racional no texto

Egoísmo racional: o caminho para uma sociedade benevolente

do site  www.objetivismo.com.br

 

 

Reginaldo Pacheco
Siga

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 pensamentos em “O indivíduo, a busca pela felicidade e o egoísmo”