Democracia apenas democracia

Democracia apenas democracia

Democracia é uma ideia linda. Mas entre a beleza de uma ideia e o mundo real existe um abismo de subjetividade. Uma bela ideia que nem sempre produz belos frutos. Churchill uma vez disse que a democracia é só o segundo pior sistema de governo, atrás de todos os outros. É difícil não concordar com isso, pelo menos em consideração à história recente – e por “recente” quero dizer os últimos duzentos e poucos anos desde a independência americana ou, um pouco depois, a revolução francesa.

Leia também Religião Cristã e Ideologias Políticas, nossa fé na religião e na política

No primeiro caso, uma democracia imperfeita, mas com solidez suficiente. Talvez porque afastada dos elementos que resistiam ao “novo”. No caso franco, a revolução levou ao terror, e o terror ao velho corso.

Será que o americano era mais “preparado” que o francês? Penso que a diferença estava nos objetivos, muito mais pragmáticos no caso americano, construir uma grande nação (com liberdade), e muito mais diluído nos franceses, a ideia da liberdade.

Uma democracia moderna (sentido temporal) como a nossa é outra história. Verdade é que pensamos ainda num dos dois tipos de “ruptura”, e é essa a tônica das discussões atuais. Penso que uma democracia assim precise de duas coisas, um sistema que permita ao povo atuar na política de fato, e, o mais difícil, um povo minimamente preparado para isso. O preparo é menos formal do que parece, trata-se de disposição mental, de senso crítico, de resistência aos apelos emocionais, portanto, uma resistência mínima à demagogia. Aliás, toda democracia convive com demagogia, mas há casos em que a demagogia substitui de modo insuperável a democracia.

Usei “demagogia” em dois sentidos, o ato de ser demagogo, e o governo do demagogo. E um governo assim retroalimenta a máquina da democracia com o combustível da dependência. Um povo dependente nunca jogará bem a democracia, pois apenas corre para suprir uma ausência que existe como fator que o mobiliza para a servidão.

Então está tudo perdido? De modo algum, pois a natureza humana sempre arruma um modo de se insurgir contra a servidão, e a resistência vai arrumando modos de continuar espezinhando a demagogia.

O grande perigo é quando a ideologia, abraçada à resistência, torna-se fim, quando não pode ser mais que meio. O mundo melhor vai sumindo no horizonte, borrado pela bandeira, e esta segue tremulando e crescendo até que não haja mais horizonte.

Ouça um episódio do Posdcast Mamilos sobre O Preço de Democracia

O grande perigo é quando a ideologia, abraçada à resistência, torna-se fim, quando não pode ser mais que meio. O mundo melhor vai sumindo no horizonte, borrado pela bandeira, e esta segue tremulando e crescendo até que não haja mais horizonte.

O grande perigo é quando a ideologia, abraçada à resistência, torna-se fim, quando não pode ser mais que meio. O mundo melhor vai sumindo no horizonte, borrado pela bandeira, e esta segue tremulando e crescendo até que não haja mais horizonte.
Então a democracia morre.

Isaías Oliveira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.