Cultura Childfree Tóxica, precisamos falar sobre filhos!

Como a cultura anti-crianças pode ser tóxica e contraria a liberdade

Cultura Childfree Toxica

Ter filhos não é mais uma obrigação, e isso é ótimo. Aos poucos, estamos quebrando o tabu de que a paternidade e a maternidade (principalmente esta última) são requisitos necessários para você ser um homem/uma mulher de verdade, realizar-se na vida. Estamos compreendendo que ter filhos dá trabalho, e não vale a pena colocar uma pessoa no mundo só por nossa vontade egoísta, sem pensar muito em como essa experiência será para a criança. Será algo desgastante para ela e para os pais.

Só que essa luta justíssima contra o preconceito com adultos sem filhos algumas vezes deriva para o extremo oposto – o ódio e/ou desprezo por qualquer coisa que se relacione a filhos, por crianças em geral, e até pela própria ideia de paternidade/maternidade. Sempre me senti muito mal ao ver alguém comentar que uma garota que engravidou “se ferrou”, ou “estragou a vida dela e do namorado”, ou “não desejo essa desgraça para ninguém”. Quem diz isso não tem o mínimo de consciência; está colocando uma carga pesadíssima em um ser que ainda nem nasceu.

LEIA TAMBÉM PALADINOS DO MERTHIOLATE ARDENTE

 Imaginem-se fuçando as redes sociais das suas mães na época em que estavam grávidas de vocês, e lendo as pessoas falarem esse tipo de coisa; que a sua vinda é uma desgraça, que você estragou a vida dos seus pais, que por sua causa sua mãe não poderá mais realizar seus sonhos.

Sentiria-se mal, não é? Se não se sentiria, se concorda com tudo isso, vá fazer terapia urgente, e reveja seus valores de vida. Não querer ter filhos é uma coisa, ficar agourando e jogando sombras nas pessoas que vão ter é algo totalmente diferente. Vejo inclusive mulheres feministas falando esse tipo de coisa, o que é uma falta de sororidade tremenda. Acha que está lacrando, que está lutando pela liberdade de não procriar, mas na verdade, só está reforçando a cultura opressora que de fachada abençoa e na verdade amaldiçoa as mães.

Mas esse ainda não é o pior tipo de cultura childfree tóxica; acredito que o pior tipo seja o que odeia crianças indiscriminadamente. Claro, ninguém se sente bem com criança mal educada, que se joga no chão e faz birra, que se acha o reizinho do mundo.

Mas a partir do momento que começa a se dizer que não suporta a simples presença de crianças no ambiente, fazer piadas maldosas sobre esquartejar, jogar da janela, espancar até deixar roxo, dar rasteiras (essas afirmações são baseadas em fatos reais, já ouvi/li tudo isso, com direito a muitos “Hahas” no Facebook!), humilhar os pais e mães (principalmente as mães) como se estes virassem seres de segunda categoria, xingar os pequenos gratuitamente (já vi uma childfree referir-se ao filho recém nascido de uma amiga como “moleque escroto”, sendo que ela nem tinha sequer visto o bebê pessoalmente, só em fotos), dizer que “crianças não são pessoas”, entre outros comportamentos deploráveis. Como tudo tem um lado positivo, fico feliz que esse tipo de pessoa não queira se reproduzir.

Algo que já ouvi de uma mãe tóxica de um filho autista é que ela “não suporta lidar com pessoas que não estão prontas, que precisam de aprimoramento”. Ou seja, não deixa de ser uma forma de intolerância. Troque o termo “criança” das frases do parágrafo acima por “negro”, “gay” ou “mulher” para ver como as sentenças ficam horríveis e soam preconceituosas.

Mas como é com criança, e “criança nem é gente”, vale tudo. Só acho que, na verdade, queridos childfree tóxicos, quem “não está pronto” são vocês, já que são incapazes de lidar com uma parcela generosa da sociedade – uma parcela da qual vocês já fizeram parte um dia. E eu também me reservo no direito de querer distância de certos tipos de“pessoas que não estão prontas” (crianças não incluídas aqui).

OUÇA TAMBÉM O PODCAST MAMILOS COM O TEMA MATERNIDADE E CARREIRA

Volto a dizer: tudo bem não querer ter filhos. Tudo bem achar que não tem a paciência necessária para conviver diariamente com uma criança, ou a responsabilidade necessária para cuidar de uma. Tudo bem achar que nem todas são anjinhos imaculados (e não são MESMO, meu bullying da infância que o diga). Mas vamos parar de ficar destilando ódio – e de tolerar quem destila esse ódio? Vamos parar de apoiar a cultura childfree tóxica?

Petra Schindler

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Um pensamento em “Cultura Childfree Tóxica, precisamos falar sobre filhos!”